Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

segunda-feira, 28 de setembro de 2009

VOCÊ DEIXOU SEU CARRO EM CASA?


O último dia 22 de Setembro foi o tal Dia Mundial Sem Carro. O objetivo, entre outros, é conscientizar as pessoas sobre a poluição, meios alternativos, meio-ambiente, a vida no planeta e blá, blá, blá...


O real problema de nosso mundo é que nossa sociedade se tornou a "sociedade do atalho". Sempre que nos deparamos com algum problema tomamos a iniciativa mais fácil e rápida, que invariavelmente se mostra inócua e burra.


Quer fazer algo pelo ar que respiramos, pelo planeta, pela vida? Um artigo no Le Monde
(
http://noticias.uol.com.br/midiaglobal/lemonde/2007/09/25/ult580u2679.jhtm) mostra que na escala mundial, a criação de gado é responsável por 65% das emissões de hemióxido de nitrogênio (azoto, essencialmente imputáveis ao esterco), enquanto o gado engendra 37% das emissões de metano.


É preciso 4 kg de cereais para produzir 1 kg de frango, e 6 kg de grãos para 1 kg de porco. Este último necessita, além disso, de 4.600 litros de água. Esta quantidade aumenta para 13.500 litros para 1 kg de boi, enquanto apenas 1.000 litros de água são necessários para produzir 1 kg de trigo.As produções de origem animal - carne, ovos, laticínios - são extremamente poluentes. Os bilhões de toneladas de excreções que delas se originam engendram resíduos nitrogenados nos solos e nos rios. Além disso, a pecuária, por si só, representa 18% das emissões mundiais de gases de efeito-estufa.


Ou seja, uma contribuição para o aquecimento climático que é mais elevada do que aquela dos transportes.Um outro ponto negativo desta produção é constituído pelo seu próprio consumo. Os pastos ocupam 30% das superfícies emersas, enquanto mais de 40% dos cereais que são colhidos servem para alimentar não diretamente os homens, e sim o gado. Uma vez que as áreas disponíveis são insuficientes para atender à demanda, a criação de gado pode provocar o desmatamento de florestas.


Além disso, a pecuária é grande consumidora de matéria-prima e de água... Resumindo, a produção animal vem sendo objeto de muitos questionamentos. Tanto mais que a Terra, daqui até 2050, terá 9 bilhões de bocas para alimentar.


Você quer MESMO fazer algo pela vida, pelo planeta, pelo meio-ambiente?... GO VEG!

quinta-feira, 24 de setembro de 2009

Novo lançamento da Ford, o FIGO.

O carro é até bacaninha, mas cadê aquelas pesquisas mundiais que as montadoras faziam antes de colocar nomes em seus produtos a fim de evitar mal entendidos?

Começou com a Besta. Se alguém, por algum acaso, esquecesse o nome do carro, bastaria falar: “Aquele... como é mesmo... aquele carro, o Estúpido...”.

Não sei o que pensaram os também executivos da Ford quando escolheram Ka como nome de carro. Ka representa um dos elementos que, segundo os egípcios, formavam o ser humano. Ligado ao corpo de alguma forma, era uma individualidade ou personalidade. Você sabia? Executivos da Ford são muito cultos, sabe...

Corsa então nem se fala. Você sabe o que é um ou uma corsa? Coloque no Google “corsa animal” (sim, animal, pq senão só vai aparecer o carro). É uma espécie de veadinho, um Bambi...

A Fiat não deixa por menos: Tipo. Aquele carro é tipo assim... Tipo O QUÊ meu Deus do céu?! Nada, ele é só Tipo e pronto, apenas um problema gramatical de frase incompleta.

Nem preciso falar nada, pois muitos já falaram: Picasso gerou centenas de piadas... Se você achasse a suspensão dele meio firme demais, poderia dizer que “seu Picasso está muito duro” pra atendente da oficina. Bem, melhor Picasso que Pingolin.

Captiva é outro – mau –exemplo. Você compra um desse pq é um doce de pessoa e sai com ele para captivar as pessoas na rua... Será que foi assim o brainstorm?

Fiesta não é de todo ruim, mas sinto um quê de coisa de pobre nesse nome. Talvez seja implicância minha, preconceito com Portunhol.

Se eu fosse executivo de montadora e tivesse algum poder de decisão teria receio em aprovar “Corolla” para o Brasil. Soa como carola, aquela tiazinha que não sai da igreja.

Alguns carros se beneficiam do uso do Inglês, pois se traduzíssemos seus nomes ficariam ridículos. Você compraria sim, mas não acharia esquisito um carro se chamar “Serve” (Fit) ou “Cidade” (City)? Ou um “Fusão” (Fusion)?

Agora o Ford Figo nos apresenta toda uma nova era. Uma nova era em que a quitanda toda pode se transformar em automóvel. Logo você poderá comprar o compacto Uva, o jovem e divertido Goiaba, o Laranja – carro que será muito utilizado por traficantes - ou, se tiver família grande, poderá optar entre o Jaca e o Melancia.

E, claro, para homenagear o país abençoado por Deus e bonito por natureza, seja patriótico e compre um Banana pra passear de fim de semana.