Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

terça-feira, 27 de outubro de 2009

CONSELHOS PARA ENTREVISTAS DE EMPREGO


Já escrevi outros posts sobre esse assunto (veja aqui e aqui), mas num país com desemprego crônico – a despeito de sua queda que se anuncia por aí – esse assunto não sai de pauta.


Eu me divirto com os especialistas. Seus conselhos beiram o ridículo de tão impossíveis... Na verdade, nos aconselham qualquer coisa pois precisam colocar mais um de seus artigos no ar e assim manter presença na rede.


Vou citar uns conselhos e dar minhas idéias sobre eles. Numa entrevista de seleção o candidato deve:


1- Ter autoconhecimento.
Isso é fácil pois nascemos todos com grande talento para psicologia e nunca nos enganamos sobre nós mesmos, não é? Nossas opiniões sobre nós próprios jamais se apresentam contaminadas por vieses egóicos ou simples ignorância. Se dependessem de você, psicanalistas morreriam de fome.

2- Ter conhecimento sobre o mercado potencial de seu futuro empregador.
Sim, você, caro candidato desempregado, deve ter acesso a informações setoriais nem sempre divulgadas ou encontradas facilmente. Você precisa ser no mínimo como Peter Drucker e visualizar as tendências do setor para o futuro a médio e longo prazos, ou comprar uma bola de cristal e fazer algum ritual new age de visualização do Universo sem o empecilho das dimensões do espaço-tempo.



3- Compreensão e domínio sobre o processo de entrevista
Sabendo que há vários tipos de entrevistas de seleção – tradicional, conversacional, comportamental, de pressão propositada, a expositiva, só para citar algumas – e um número incalculável de tipos de entrevistadores elevado à enésima potência se levar em conta suas possíveis variações de humor (afinal, eles são humanos) você deverá investir um tempo para se preparar para elas. Algo em torno de 735 anos.



4- Conhecimento sobre a empresa
Mesmo se ela tiver um website decente (raro...), não se fie nele pois lá só encontrará a versão oficial do que é aquele antro onde tenta entrar. Procure pela web em sites de reclamações e de defesa do consumidor e encontrará a verdadeira face dela. Só não tente discutir o que ler ali com o entrevistador, certo?



5- Conhecimento Geral
Aqui recomendam “...saber o que acontece no mundo e as implicações desses fatos na sociedade e nos negócios, informar-se sobre os principais acontecimentos econômicos, políticos, sociais e culturais, cultivando o hábito da leitura dos bons jornais diários e revistas semanais nacionais e internacionais”. É isso aí: pare de perder tempo no Orkut e no Facebook e, pior, no Twiter, deixando de lado todo o enorme conhecimento que se pode adquirir em 140 caracteres. Mesmo se conseguir fazer isso, não se anime: com a produção de notícias e conhecimento crescente em progressão geométrica neste mundo globalizado e interconectado, some mais uns 2.000 anos em seu treinamento para entrevista, lembrando que, lá na frente, seu conhecimento sobre atualidades terá passado para a categoria de história da civilização.


Tendo conseguido seguir esses conselhos, Buda, o Iluminado, virá de lá do Vazio para cumprimentá-lo e Jesus Cristo finalmente voltará e lhe oferecerá seu santo lugar ao lado de Deus Pai Todo Poderoso, ou talvez Ele próprio ceda Seu lugar a Ti, oh ser inigualável.


Vender conselhos sobre entrevistas de seleção, em nossa atual e eterna realidade, é mais fácil que vender água no deserto. Vou me informar sobre esse tipo de trabalho...

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

UM NOVO TIPO DE PRECONCEITO

"As pessoas projetam nos animais suas próprias carências afetivas...".


"...projetam neles a falta de filhos...".


"...resgatando animais nas ruas projetam neles seu próprio abandono...".


Quanta responsabilidade colocamos sobre nossos pets, não!? Quem diria que os animais se tornariam nosso suporte existencial...


Toda vez que leio algo sobre pessoas que tem vários (muitos) animais em suas casas ou aquelas que se dedicam a resgatá-los das ruas nas cidades grandes, apesar do tom meio dramático de alguns artigos, sempre dou risada.


Acho engraçadas as opiniões de psicólogos sobre "esse tipo de gente". Bem, ao menos eles tem uma opinião menos ruim do que os leigos, para os quais essa gente é simplesmente louca por "preferir bichos ao invés de humanos" - o que não é verdade, apesar do clichê por eles muito utilizado "quanto mais conheço os homens mais estimo os animais".

De qualquer modo, sejam opiniões científicas ou leigas, é fato que a sociedade estranha esse tipo de comportamento, tanto que volta e meia o assunto gera um artigo por aí.


Os civis - aqueles que não são cachorreiros, gateiros, protetores, cuidadores e outros seres humanos estranhos ligados aos animais - estão sempre prontos a lançar um olhar de desconfiança sobre o que consideram um comportamento "não normal".


Ora, como é possível definir o que é ou não normal? Podemos estabelecer o que é comum, corriqueiro, bem aceito socialmente a ponto de ninguém nem notar o absurdo, mas não o que é normal no sentido absoluto da palavra.


Duvida? Tente se afastar um pouco de sua realidade, tente um olhar mais crítico, mais agudo e perceberá o quanto de loucura permeia o seu dia-a-dia.

É normal ter filhos e deixá-los o dia todo numa creche ou com a empregada em casa porque os pais tem de trabalhar e só os veem duas horas por dia, à noitinha, quando voltam para casa esgotados e irritados?


É normal nos apertarmos em imóveis minúsculos e caríssimos e em ruas superlotadas de automóveis expelidores de gases tóxicos em cidades violentas e opressoras enquanto há tanto espaço verde, livre e tranquilo por aí?


É normal passarmos o dia todo num escritório fazendo algo que odiamos junto de gente que não suportamos?

É normal entrar numa edificação e ficar mentalmente pedindo a uma abstração coisas como a cura para alguma doença ou uma melhoria qualquer na vida?


É normal acreditar que sua união com outra pessoa vale mais porque você entrou num lugar cheio de gente e um tipo de pajé com túnica branca fez um ritual antiquado e esquisito falando coisas que ninguém ali presente entende direito ou invés daquele casal que simplesmente resolveu tocar a vida junto?



É normal ir a um estádio pagando uma grana preta pra ficar espremido feito sardinha no meio de uma turba alucinada e fedida só pra ver alguém cantar (bem de longe)?


É normal passar o ano todo preocupado com o aluguel, irritado com o trânsito, mal humorado com seu emprego e vivendo sua vidinha "normal" mas de repente, sem mas nem menos, por decreto, ficar alegre, feliz soltar a franga durante quatro dias só porque dizem que "é Carnaval"?


E voltar àquela vidinha besta logo depois, como se tivesse um botão "on/off" nas costas?


É normal dizer que ama os animais referindo-se apenas a cães, gatos ou passarinhos enquanto come outros, como vacas, porcos e perus no jantar?


É normal se recusar a admitir ou conhecer a verdade violenta e cruel por trás de cada bife em sua mesa e, mesmo sabendo, não fazer nada a respeito nem mudar seu estilo carnívoro de vida?






É normal "torcer por um time" (que nunca é o mesmo pois jogadores vão e vem o tempo todo) e sofrer se ele perde ou se sentir o máximo e tirar sarro do colega torcedor do time adversário porque o "seu" ganhou "do dele"?


Tudo isso e infinitas outras coisas são "comuns" mas, racionalmente falando, não deveriam ser consideradas normais. Agridem o bom senso, ferem a lógica.


A "loucura" daquela gente que "ao invés de tirar uma criança da rua, fica resgatando gatos" não é maior nem menor que a dos outros. Ela tem apenas um foco diferente.


Assim como o racismo, sexismo e especismo, proponho o "louquismo", o preconceito contra a loucura dos que ainda são minoria.
E viva os loucos, aqueles com coragem de sair da mesmice, de não seguir a manada e pensar por si próprios.