Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

terça-feira, 19 de fevereiro de 2008

VISÃO DE MARKETING

Dando um exemplo sobre a acuidade de argumentação e visão de mercado, um certo professor-coordenador de curso de MBA disse que “...não existe África, mas países da África...”, com o intuito de mostrar a enorme diferença entre eles, tratando-se de universos diferentes e, portanto, diferentes abordagens e estratégias de marketing. Continuando o exemplo com tal continente, pois tinha viajado por lá em suas férias, o professor comentou que esteve no Egito. “Que desenvolvimento!”, exclamou. “África do Sul, então, primeiro mundo! Angola, fim do mundo...”, completou.

Hmmm, não é bem assim...

Angola, país que se auto-destruiu numa guerra civil, está em plena reconstrução. O grupo imobiliário de Amarante - Taminvest – vai investir 230 milhões de dólares (160 milhões de euros) em Angola em dois empreendimentos habitacionais e turísticos de grande dimensão. São dois loteamentos com alguns milhares de habitações, unidades de comércio, equipamentos desportivos e recreativos, que vão gerar dois empreendimentos de luxo, a construir próximo das cidades de Benguela (Blue Ocean) e de Luanda (Bom Jesus), neste último um investimento de 80 milhões de dólares em infra-estruturas, a edificar numa área de 550 hectares.

O Blue Ocean (Praia Azul), nos arredores de Benguela, tem previsto mais de 300 hectares de área edificável (cinco mil habitações de várias tipologias), a implantar em terrenos com mais de 1.300 hectares, com um investimento de 150 milhões de dólares neste empreendimento de luxo, que fica situado a 18 quilômetros de Benguela e inclui serviços de hotelaria, um campo de golfe e uma marina.

Na feira Constrói Angola, realizada anualmente, projetos com residências cujos preços ultrapassam os 2 milhões de dólares disputam espaço e clientela. O Arte Residencial Yetu, da Odebrecht, por exemplo, já vendeu 80 por cento dos apartamentos ainda em construção. Os preços variam de 600 mil a 2,2 milhões de dólares. Ou seja, cada metro quadrado da residência custa 5 mil dólares. As obras iniciaram em Agosto último e terminam em 2009.

Com 16 torres e 76 unidades residenciais, o investimento está orçado em 70 milhões de dólares. Já o Belas Business, outro projeto imobiliário da Odebrecht, cujo fim da primeira fase está previsto para Dezembro de 2008, tem quase todos os apartamentos vendidos, segundo a gerente de incorporações imobiliárias, Túlia Ribeiro. Conforme a dimensão, os preços do apartamento variam de 450 mil a 900 mil dólares. A primeira fase do projeto compreende quatro torres com 112 unidades residenciais, prevendo construir 400 apartamentos até 2012. No total, o empreendimento vai consumir 400 milhões de dólares.

O Futungo Village, um condomínio fechado a Sul de Luanda, do grupo Imocom, expõe o seu projeto com 60 tipos de imóveis já vendidos. Trata-se de vivendas vendidas a 1 milhão e 690 mil dólares e a 1 milhão e 990 mil dólares.

E tudo isso tratando-se apenas de um setor – o de construção civil – como exemplo.

Um país carente de tudo, em tempos de mercados hipersaturados, é uma oportunidade quase inimaginável para todas as empresas e profissionais de marketing com um mínimo de visão.

Bem, talvez não para acadêmicos...

Nenhum comentário: