Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

terça-feira, 16 de novembro de 2010

LULA, TIRIRICA E O PORTEIRO DO PUTEIRO

Há milênios circula pela internet uma estória (pra boi dormir) do tal Porteiro do Puteiro, um homem que não sabia ler nem escrever mas que vence as adversidades e se torna multimilionário. Algumas vezes atribuem essa estória à vida do Sr.Tramontina. Pura balela...

O objetivo torto dessa infelicidade é mostrar que é possível superar as dificuldades da vida, sejam quais forem. Será que o autor é ou já foi professor escolar?

Minha mãe foi professora primária da rede pública por quarenta anos. Ao final de sua carreira, pouco antes de se aposentar, dizia que atualmente a maior dificuldade de um professor é convencer um aluno de que estudar é importante.

Ao tentar fazê-lo, seja qual argumento utilizasse o aluno, lembrando de seus ídolos no esporte, na TV e, mais atualmente, na política, questiona: pra quê estudar tanto se fulano, sicrano e beltrano não estudaram nada e foram muito mais longe e ganham muito mais que meu pai?...

Com a lógica rarefeita, própria da idade, fica muito difícil para o professor argumentar com o aluno de primário. Se até nosso presidente da República e agora um deputado federal não precisam ler e escrever, porque ele precisa?

Por que estudar tanto quanto seu pai, que fez escola, colegial, faculdade, cursos especiais, MBA mas rala de segunda a sexta, de antes do Sol raiar até tarde da noite e nem pode lhe pagar uma viagem à Disney, enquanto que outros, semi-analfanetos ou analfabetos funcionais, aparecem na TV com carrões importados, em jantares cheios de celebridades, viajando por outros países acompanhados de belas mulheres?

Na sociedade do pão e circo, do BBB e das celebridades de vestidos rosa, pessoas que lêem essa estorinha e a repassam como “uma grande lição de vida” precisariam voltar à escola nem tanto para aprender a ler e escrever, mas aprender a PENSAR, principalmente em que país queremos ser ou queremos deixar para nossos filhos (apenas um clichê pois eu não os tenho).

A estória ensina que o valor da pessoa está em suas posses, em sua riqueza financeira, material. Ou seja, o cidadão pode ser um completo ignorante, desde que seja rico. Aí a sociedade o aceitará como um grande homem.

Essa é a lição.



3 comentários:

Anônimo disse...

Você tem toda a razão. eu também penso assim. Gostei do seu post.


Obrigado por sua visita.

Estou retribuindio.

http://wladimir58.wordpress.com/

Anônimo disse...

Ricardo Azevedo, amigo escritor diz, "se uma criança supõe que todos os livros, no fundo, sejam didáticos. Ela vai ler partindo da premissa de que está estudando, vendo-se obrigada a aprender uma lição.
Para formar um leitor é imprescindível que entre a pessoa que lê e o texto se estabeleça uma espécie de comunhão baseada no prazer, na identificação, no interesse e na liberdade de interpretação. É necessário também que haja esforço e este se justifica e se legitima justamente através da comunhão estabelecida".

Anônimo disse...

Ops, faltou um "e" e uma vírgula lá em cima. Ricardo Azevedo,amigo e escritor, diz