Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O RISOTO DA PEUGEOT

Fiquei intrigado com o comercial de TV da Peugeot e mas intrigado ainda quando vi na internet uma discussão sobre os “significados” do comercial, como se ele fosse uma obra com conteúdo profundo a ser analisado.


Diversos profissionais de propaganda e marketing deram as mais variadas opiniões sobre o quê efetivamente a equipe de criação quis dizer com o tal risoto num comercial de picape leve aventureira.

Muito pareciam, na verdade, procurar pelo em casca de ovo... Alguns foram pelo caminho de que a equipe de redatores tentou dizer que a picapinha, apesar de foco aventureiro, é para gente “normal”, que cozinha, que faz risoto...


Se for isso, leio nas entrelinhas que a picape, apesar de seu jeitão fora de estrada, teoricamente voltada ao público mais ativo, pode ser comprada por manés medrosos que em vez de praticarem esportes radicais ficam na cozinha fazendo risotos.

Pior: olha gente, a picapinha tem só aparência de aventureira, mas é só aparência. Você que fica na cozinha fazendo risoto pode comprar também que não vai te fazer mal não, viu?!...


É pode ser... Mas tem mais.

No comercial o narrador diz que nunca praticou diversos esportes e atividades radicais, de risco e, de repente, diz que o risoto dele nós precisamos experimentar.


A relação que faço é a seguinte: ele – o locutor – nunca se arriscou mas quer que a gente se arrisque (a experimentar o prato que ele preparou). Somos, então, convidados a ser cobaias do locutor. Ele não se arrisca jamais, mas nos chama a nos arriscarmos.

Se é isso, se comer o risoto dele é um risco, concluo então que nem homem de forno e fogão ele é.


Então, a picapinha é aventureira apenas na aparência e o homem caseiro também não é verdadeiramente cozinheiro. Tudo ali é falso.

E é mesmo: é uma picapinha urbana que recebeu uns plásticos, os primeiros a quebrar com qualquer encostadela, pra parecer fora de estrada (leia esse post mais antigo sobre assunto parecido).


Viajei?

Nenhum comentário: