Aquele momento em que você precisa arejar um pouco...

sábado, 20 de outubro de 2007

FALTOU SENSE NA SIMPLICITY

Se você fosse um publicitário, qual idéia ou imagem surgiria de pronto em sua cabeça se os profissionais de marketing de uma empresa de eletrônicos lhe dissessem que o tema central da nova campanha seria “sense and simplicity”?

Eu imaginaria algo na linha do “back to basics”, um movimento iniciado há anos (meio sem força, é verdade) que, em se tratando de eletrônicos, prima pela descomplicação total, facilidade de uso, aparelhos mais simples, de uso intuitivo, poucos botões ou talvez nenhum, como iPod e iPhone bem exemplificam.

Poderia ser um comercial suave, fluído, minimalista, quase Zen...

Seja lá qual foi sua idéia, para mim foi um choque, total dissonância cognitiva entre o que eu imaginava para o conceito e o que a
Philips colocou no ar.

De autoria difícil de contestar (Nizan Guanaes – África e companhia) o comercial, em minha opinião demasiadamente espalhafatoso, complexo, complicado traz a trioelétriquenta Ivete Sangalo cantando que a gente vai ter “...mais tempo pra viver, mais tempo pra sonhar...”.

Em meio a show de luzes, sons, cortes e recortes, surge um rapper cantando uma outra parte da música. Depois, corta, recorta, mix de imagens e luzes, volta pra Ivete trioeletricando no palco de um estádio de futebol.

“...Você sonhou e a gente fez... mais simples pra você...”. Talvez os aparelhos da Philips entreguem esse valor, mas não é a mensagem que o comercial passa. Ao menos pra mim.

Megalômano demais para algo sense & simplicity.

Se era pra simplificar, por que não simplificar o comercial também?
Bom, talvez um comercial muito simples (e barato) não “valesse a pena” para sustentar a África inteira...


3 comentários:

Anônimo disse...

Tem razão! Tão contraditório né? De acordo com a Wikipédia, simplicidade é o conceito em que o ser se desmembra de extravagâncias, excessos - de ordem material, social ou psicológica - para conviver com sua existência de forma simples, não utilizando de artifícios para compor o seu ser.

Ricardo Figueroa disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ricardo Figueroa disse...

Seu blog sofre de uma contradição semelhante, Luis.
Os Textos são muito bons pra serem apreciados numa rápida "pausa prum café".